Participe do nosso site!
Login:Esqueci a senha
Senha:
 
Psicologia, Psicanálise e Desenvolvimento Humano
Constelação Familiar • Hipnose • Visualização Criativa
Terapia em Grupo e Individual • Presencial e pela Internet
Cursos • Workshops
Expediente
Página inicial
Apresentação
Currículo Profissional
Na mídia...
Fale Conosco
Cadastramento
Para Você...
Artigos
Mensagens para Reflexão
Ler e Assistir na Cama
Material de Apoio aos Livros
Exercícios
Atendimentos
Psicologia
Psicanálise
Florais de Bach
Consultório Novo Equilíbrio
Consultório Virtual
Grupo de Orientação

 

Tema: Mensagens

Kintsukuroi - A Valorização das Experiências


chicara_quebrada





Em japonês, a tradução literal de Kintsukuroi, seria colagem com ouro. Trata-se de uma arte secular de reparação de peças de porcelana quebradas com uma mistura de resina de laca com pó de ouro.

Registros históricos apontam que esta técnica começou a ser utilizada no final do século XV, no Japão Feudal. Conta-se que o Shogun (general do exército) Ashikaga Yoshimasa, enviou uma de suas xícaras de chá favoritas, que havia se quebrado, para ser restaurada na China. O resultado do trabalho não agradou ao general porque a xícara retornou com grotescos grampos de metal, tornando esteticamente rude o delicado objeto. Assim o general solicitou aos artesãos japoneses que buscassem uma nova solução, um meio mais estético de reparação. E foi assim que desenvolveram uma mistura de laca e pó de ouro que seria usada para fazer a colagem dos pedaços. Nascia assim o Kintsuroi.

O trabalho de restauro Kintsuroi pode ter semelhanças com a filosofia japonesa de wabi-sabi, que representa o belo que é "imperfeito, impermanente e incompleto". Refere-se ao viver uma vida comum com o despojamento, com a insuficiência ou com a imperfeição, e está relacionado às doutrinas de desapego do Zen budismo. na cultura japonesa, as peças que passam pelo delicado processo se convertem em verdadeiras obras de arte. É que a fragilidade presente em cada pedaço restaurado empresta aos artefatos reparados uma complexidade estética tão grande que torna possível peças quebradas serem mais valiosas do que as intactas. E o sucesso deste método fez com que alguns colecionadores japoneses da época chegassem a quebrar caríssimas peças de porcelana apenas para tê-las restauradas com ouro.

A estética japonesa valoriza as marcas de desgaste pelo uso de um objeto. Isso pode ser visto como uma razão para manter um objeto mesmo depois de ter quebrado e como uma justificação do próprio Kintsuroi, destacando as rachaduras e reparos como simplesmente um evento na vida do objeto, em vez de permitir que a sua utilidade termine no momento de seu dano ou ruptura.

Kintsugi pode se relacionar com a filosofia japonesa de "não importância" que engloba os conceitos de não-apego, aceitação da mudança e destino como aspectos naturais da vida humana. Para os japoneses, preencher as rachaduras de um objeto quebrado com ouro, significa restaurar a história deste objeto e a partir desta restauração, equilibrar e dar valor a vida do dono. Após reparada, a peça se torna única e faz ser lembrado continuamente aqueles que a admiram de que para tudo nesta vida existe remédio.

E é assim! Quando os japoneses colam objetos quebrados, preenchendo as rachaduras com ouro, eles acreditam que há conserto e que vale a pena repará-lo. Quando algo se quebra eles não perdem seu valor, ao consertá-lo, ele se torna um objeto único e especial e por isso passa a valer mais do que antes!

Ao invés de se envergonharem de suas imperfeições, eles as valorizam, para que sejam vistas como uma celebração a vida, nos pequenos e grandes erros cometidos e na possibilidade de aprendizado e transformação. Parte do que somos hoje é resultado de um restauro que pode ter sido feito grosseiramente ou com a delicadeza e o enriquecimento do outro.

Ao remontar e juntar os cacos podemos pensar que se trata de uma etapa que simbolicamente representa a construção de algo novo, a mesma forma, mas com um conteúdo enriquecido, com uma beleza fascinante, caracterizada por pedaços, por cacos que se juntam, que se colam, se reintegram.

Pense nisso! A vida nos dá uma constante possibilidade de restauro. Cabe a nós a forma, mais equilibrada e harmoniosa onde as riquezas de aprendizagem se destacam ou não.


Pesquisa e elaboração do texto: Elizabeth Mednicoff

Para quem gostou deste artigo sugiro que leia este também: "A Dor da Separação”



   Comentários

Nenhum comentário até o momento. Seja o primeiro a comentar este artigo!!
Os comentários são moderados, serão analisados pela nossa equipe antes da publicação.


Mais tópicos relacionados:

Amizades

A mulher independente assusta o homem?

Manter o amor

O bobo

Revolução da Alma

O Monge e o Escorpião

Quando...

Receita da Dª Helena

Atitude é tudo

Opções

Roupa suja

Uma lição com a cenoura, o ovo e o café

Os sons da Floresta

Momento de Reflexão

Sucesso... será ainda possível?

A Verdadeira Liberdade

A Pedra no Caminho

Sabedoria

Oportunidades

Você decide...

Um Lindo Jardim

Visão Ampla ou Restrita

Confie e Entregue

Para a vida se tornar mais fácil de ser vivida

O Vaso de Porcelana

Conhecimento ou Criatividade?

Sustentação da Auto-Estima

Cuida do que é mais Importante

Céu ou Inferno?

Nó de Afeto

Você é um Construtor de Cercas ou Pontes?

Ação e Reação

Poema da Gratidão

Fundo do Poço

Sorte ou Azar

A Mais Bela Flor

O Gole D’agua

Regras para se tornar um Ser Humano

Riqueza Interior

Renascer

Onde quer que eu esteja

Sermão do Despertar Interior

Mensagem de Vida

Está passando por uma tempestade...

Valorize o que você tem...

Miolo do Pão

DE HOJE EM DIANTE

Cinco Minutos

Copo de Água

Bem que eu mereço...

O Mito de Sísifo

Culto ao Sofrimento

QUASE ACREDITEI

Passeio Socrático

Amar é uma decisão

Tira o Bode da Sala!

A ILHA (uma fábula sobre o autoconhecimento)

O Mito da Caverna de Platão

Kintsukuroi - A Valorização das Experiências

TAO - A Sabedoria do Silêncio


Novo Equilíbrio - Tel.: (11) 2605-3166 - E-mail: contato@novoequilibrio.com.br